Vértigo

Log de Aventuras de Vértigo, campanha de Ars Magica que conta a história do Consílio de Alcornoque, fundado no Tribunal da Ibéria em 1222 d.C.

24.1.06

Terceiro Dia do Tribunal da Ibéria de 1229

Terceiro Dia de Tribunal no Verão de 1229

No último dia de Tribunal, o Praeco lê a ata do evento, faz suas últimas observações e pode ainda designar missões e levar propostas aos magos. Pode fazer ainda arguições e pedir esclarecimentos a respeito de pontos obscuros levantados durante os dois dias anteriores. Por fim, o dia se encerra com um grande mercado interno onde os magos fazem troca de vis e magias pelos seus consílios.

O Praeco

Ebro de Flambeau inicia o dia lendo a ata dos dois primeiros dias de Tribunal. Em seguida, pede maiores explicações aos do Consílio de Alcornoque a respeito do episódio da morte de Mattuzallem Ex-Miscellanea.

Philippo Razi de Tremere toma a palavra e explica que o Ex-Miscellanea voltara agonizante da Fadolândia e fora encontrado já morto.

Gonçalo questiona a simplicidade do relato e levanta a possibilidade de perigo de quebra de Código Hermético ou do envolvimento de Alcornoque em assuntos perigosos, no que Philippo rebate, dizendo que o Consílio não mais tem negócios na Fadolândia e que não sabem o que levou Mattuzallem à morte.

Gonçalo propõe então que o Tribunal designe um Merinita para investigar o caso. Philippo sugere Hermeto de Merinita para investigar, que prontamente aceita a sugestão e é nomeado pelo Praeco.

Nada mais relevante ocorreu nesta etapa.

Fase de Trocas

O Consílio de Alcornoque faz trocas no banco de negócios através de seus magos.

Hugo de Verditius fornece 3 peões de imáginem vis e 4 peões de herbam vis em troca de um Texto de Laboratório (lvl 35) com magos de Plateau.

Clara de Bjonaer parte para a negociação de vis e consegue 16 peões de corpus vis, dando em troca 2 peões de creo vis, 1 peão de perdo vis, 1 peão de imáginem vis, 1 peão de animál vis, 1 peão de aquam vis e 1 peão de terram vis com o Consílio de Andalusia. Com Interritus, conseguiu a boa negociação, obtendo 2 peões de intéllego vis, 2 peões de corpus vis e 2 peões de auram vis em troca de 2 peões de herbam vis e 6 peões de mentem vis.

Paulus de Flambeau consegue o texto da magia "Peer Into the Mind" dando em troca o texto da magia "Surgimento Súbito do Dogma" e 2 peões de muto vis.

Depois das trocas, encerra-se o Tribunal da Ibéria de 1229.

23.1.06

Segundo Dia do Tribunal da Ibéria de 1229

Segundo Dia de Tribunal no Verão de 1229

As duas primeiras fases foram bem movimentadas, com a presença de muitos magos. Após a segunda etapa, de petições ao Tribunal, o quorum diminuiu sensivelmente e apenas interessados na produção dos Bonisagus e um ou outro representante de algum consílio permaneceram.

Fase de Declarações ao Tribunal de 1229

Declarações sem peso foram levadas ao Tribunal e não houve qualquer anúncio de destaque nesta etapa.

Claudius Adrianus Guernicus notifica o Tribunal de que Moritias Guernicus deixou o Tribunal da Ibéria; que Dario de Flambeau se filiou ao Consílio de Alcornoque mas logo partiu para outro tribunal; que Mattuzallem Ex-Miscellanea faleceu em viagem à Fadolândia, retornando em agonia pouco antes de morrer; que Hieronimus de Criamon partiu em jornada rumo aos Pirineus; que Eufrásio de Criamon teve o mesmo destino e que Fobo de Bjonaer deixou o Consílio.

Fase de Petições ao Tribunal da Ibéria de 1229

A petição de maior relevância foi a de Graça de Flambeau, a respeito da destruição de magos desgarrados, que gerou polêmica e debate no Tribunal.

Graça de Flambeau do Consílio de Plateau pede ao Tribunal que seja autorizada a destruição de magos desgarrados detectados próximos a Lisboa que colocariam em risco a aliança de seu consílio com a aristocracia local. Kesiah Ex-Miscellanea de Andalusia contesta, dizendo que os desgarrados podem ser convidados à Ordem de Hermes em vez de abatidos. Claudius Adrianus Guernicus pede maiores explicações a respeito da ameaça configurada pelos magos não-herméticos. Graça ratifica sua petição, sem maiores explicações, fazendo adendo alegando urgência. Seu pedido é aceito pela maioria do Tribunal. Clara de Bjonaer faz observação pedindo que o Praeco nomeie fiscal para o caso e o pedido é negado pela maioria do Tribunal.

Declarações dos Bonisagus

Nesta etapa, todos os bonisagus do Tribunal por costume declaram suas atividades temporada a temporada, quando relevante, ao chefe da Casa e ao resto dos presentes, disponibilizando grande parte do que foi produzido à Ordem. É uma fase do Tribunal que consome muito tempo e geralmente é assisitida por um representante de cada consílio e pelos próprios Bonisagus.

O único Bonisagus a não comparecer foi Martin de Bonisagus.

Algumas obras de relevância anunciadas foram a summa de herbam (lvl 11) intitulada "Das Ervas", de Valenciana de Bonisagus e a summa de muto (lvl 14) intitulada "A Essência da Mudança", de Álvares de Bonisagus. Cópias foram remetidas à Biblioteca do Tribunal na Casa da Chama Eterna.

Maurice de Bonisagus doou ao Tribunal um ítem mágico, um cetro, encantado com a magia "Sense the Nature of Vis".

E depois desta etapa, encerra-se o segundo dia do Tribunal da Ibéria de 1222.

Primeiro Dia do Tribunal da Ibéria de 1229

Primeiro Dia de Tribunal no Solstício de Verão de 1229

O Tribunal começa e todos se reúnem na exuberante sala de reuniões de Interritus. A primeira fase tem logo início.

Relatos Inquisitoriais

O primeiro relato é do primeiro julgamento ocorrido após o Tribunal da Ibéria de 1222, no caso em que o Consílio de Alcornoque é julgado por patrocinar arruaça no Consílio de Interritus durante o encontro do Tribunal.

Tribunal da Ibéria
- Ano de 1.222 d.C. - Julgamento Primeiro t.1222 - Comissão Inquisitorial formada por Clarice Guernicus, Sirene Guernicus, Gonçalo Salustiano, Claudius Adrianus e Tromeu de Flambeau - Consílio de Interritus - ROUBO, COMBATE ARMADO E ASSASSINATO DE SERVO DO CONSÍLIO DE INTERRITUS. OFENSA À SEGURANÇA E À PAZ DURANTE O TRIBUNAL DA IBÉRIA DE 1.222 - OFENSA AO PATRIMÔNIO E SEGURANÇA DE INTERRITUS - PAULUS DE FLAMBEAU JULGADO POR FALTAS COMETIDAS POR SEU ACOMPANHANTE MUNDANO - CONSÍLIO DE ALCORNOQUE JULGADO POR FALTAS COMETIDAS PELOS ACOMPANHANTES DOS DEMAIS MAGOS DA CASA

A sentença proferida, ratificada neste Tribunal de 1229, foi a seguinte:

SENTENÇA PRIMEIRA t. 1222- Ano de 1.222 d.C. - Tribunal da Ibéria - Consílio de Alcornoque a Favor de Interritus e da Ordem de Hermes - CONDENAÇÃO - 20 PEÕES DE VIS DE QUAISQUER FORMAS EXCETO IGNEM E MENTEM, A SEREM PAGOS EM QUAISQUER CONDIÇÕES EM ATÉ 20 ANOS - PROIBIDOS DE SEREM NOMEADOS NOVAMENTE COMO VISITANTES A CONSÍLIOS DO TRIBUNAL DA IBÉRIA ANA DE ALCORNOQUE POR PHILIPPO RAZI E FERNANDO DE ALCORNOQUE POR PAULUS DE FLAMBEAU - CONFISCO À ORDEM DE ÍTEM MÁGICO USADO POR FERNANDO DE ALCORNOQUE POR PAULUS DE FLAMBEAU EM SEUS DELITOS.

O segundo relato é de Irene Guernicus, a respeito de missão hermética desempenhada em conjunto com Paulus de Flambeau, Claudius Adrianus Guernicus e Moritias Guernicus. Houve investigação a respeito de uso vulgar de magia em coflito acidental entre tropas cristãs e árabes ao sul mas nada conclusivo pode ser aferido.

Tribunal da Ibéria - Missão Hermética I t. 1222- Ano de 1223 d.C. - COMBATE ENTRE ÁRABES E CRISTÃOS QUE ESCOLTAVAM UM NOBRE DE CASTELA A LISBOA - INDÍCIO DE USO VULGAR DE MAGIA - AVERIGUAÇÃO DE USO VULGAR DE MAGIAS E QUEBRA DO CÓDIGO DE HERMES - Irene Guernicus - CLAUDIUS ADRIANUS DE QUESITORIS - MORITIAS DE QUESITORIS - PAULO DE FLAMBEAU.

O relato da missão, como segue, foi acolhida pelo Tribunal

Tribunal da Ibéria - Ano de 1.223 d.C. - Irene Guernicus - Referente à Missão Hermética I de 1.223 d.C. t. 1222- COMBATE ENTRE ÁRABES E CRISTÃOS QUE ESCOLTAVAM UM NOBRE DE CASTELA A LISBOA - INDÍCIO DE USO VULGAR DE MAGIA - AVERIGUAÇÃO DE USO VULGAR DE MAGIAS E QUEBRA DO CÓDIGO DE HERMES - PESQUISA NÃO LEVANTOU ELEMENTOS SUFICIENTES QUE COMPROVASSEM QUE FOI USADA MAGIA HERMÉTICA - ENCERRAMENTO DA MISSÃO HERMÉTICA - INCONVENIÊNCIA PARA A ORDEM NO PROSSEGUIMENTO DAS INVESTIGAÇÕES.

O terceiro relato é da Comissão de Hoplitas formada por Diógenes Gernicus e Domenico de Flambeau que foram até a fronteira do Tribunal ao norte onde havia disputa de fonte de vis entre os consílios de Lux ex Tenebris, ibérico, e Lex Magna, do provençal. A situação, que era deveras conflituosa, foi pacificamente resolvida mas de forma provisória. Os dois consílios envolvidos dividiriam o vis gerado no local até que mapas mais precisos sejam elaborados no Grande Tribunal em 1250.

Tribunal da Ibéria - Missão Hermética II t. 1222- Ano de 1224 d.C. - QUESTÃO DE JURISDIÇÃO E DELIMITAÇÃO DE FRONTEIRAS - CONFLITO ENTRE CONSÍLIOS POR RECURSOS - FONTE DE VIS REIVINDICADA POR DOIS CONSÍLIOS DE TRIBUNAIS DIFERENTES - LEX MAGNA DO TRIBUNAL PROVENÇAL E LUX EX TENEBRIS DO TRIBUNAL DA IBÉRIA - Irene Guernicus Convoca Comissão de Hoplitas - DIÓGENES GUERNICUS E DOMENICO DE FLAMBEAU. OS CONVOCADOS PODERÃO USAR ÍTENS MÁGICOS QUE FACILITEM RESULTADO PACÍFICO FAVORÁVEL AO TRIBUNAL DA IBÉRIA DOS ESTOQUES DA JURISCIÇÃO NA CASA DA CHAMA ETERNA, PARA USO PRÓPRIO E CIRCUNSCRITO À MISSÃO.

O relato da missão, como segue, foi acolhido pelo Tribunal:

Tribunal da Ibéria - Ano de 1.225 d.C. - Diógenes Guernicus e Domenico de Flambeau - Referente à Missão Hermética II de 1.224 d.C. t. 1222 - PROBLEMAS DE JURISDIÇÃO EM REIVINDICAÇÃO DE RECURSOS POR CONSÍLIOS DE DIFERENTES TRIBUNAIS - FONTE DE VIS EM ÁREA LIMÍTROFE ENTRE O TRIBUNAL DA IBÉRIA E O PROVENÇAL - LUX EX TENEBRIS E LEX MAGNA EM LITÍGIO - FONTE DE VIS DIVIDIDA IGUALMENTE, TODO OUTONO, PELOS DOIS REIVINDICANTES - SITUAÇÃO PROVISÓRIA ATÉ DEMARCAÇÃO DE JURISDIÇÕES MAIS DETALHADA A SER NEGOCIADA NO GRANDE TRIBUNAL DE DURENMAR EM 1250.

Tal relato levou a Chefe dos Quaesitoris da Ibéria, Irene Guernicus, a peticionar ao Grande Tribunal de Durenmar, pedindo revisão dos limites jurisdicionais.

GRANDE TRIBUNAL DE DURENMAR - Tribunal da Ibéria - Ano de 1229 d.C. - Irene Guernicus, Chefe dos Inquisidores - PETIÇÃO TERCEIRA - DELIMITAÇÃO DE JURISDIÇÃO - TRIBUNAL DA IBÉRIA E TRIBUNAL PROVENÇAL - REVISÃO DAS FRONTEIRAS - DISPUTA DE RECURSOS ENTRE CONSÍLIOS DE DIFERENTES TRIBUNAIS - CONSÍLIO DE LUX EX TENEBRIS E CONSÍLIO DE LEX MAGNA.

O quarto relato é o mais aguardado, referente ao conflito entre tropas árabes e cristãs ao sul de Toledo, próximo à cidade de Córdoba, com apoio do Consílio de Andalusia de um lado e apoio de Interritus de outro. Claudius Adrianus Guernicus foi convocado para supervisionar o conflito atento a eventuais quebras de código hermético.

Tribunal da Ibéria - Missão Hermética III t. 1222- Ano de 1228 d.C. - COMBATE FUTURO ENTRE ÁRABES E CRISTÃOS COM APOIO DECLARADO DE CONSÍLIOS DO TRIBUNAL DA IBÉRIA - CONSÍLIO DE ANDALUSIA E CONSÍLIO DE INTERRITUS - ACOMPANHAMENTO DE CONFLITO E AVERIGUAÇÃO DE USO VULGAR DE MAGIAS E QUEBRA DO CÓDIGO HERMÉTICO - Irene Guernicus Convoca - CLAUDIUS ADRIANUS GUERNICUS. O CONVOCADO PODERÁ VISITAR O DEPÓSITO DE ITENS MAGICOS DA ORDEM, NA CASA DA CHAMA ETERNA, E REQUISITAR UM PARA USO PRÓPRIO E CIRCUNSCRITO À MISSÃO.

Claudius Adrianus Guernicus, então relata para a atenta platéia suas impressões e o Tribunal ratifica:

Tribunal da Ibéria - Ano de 1.229 d.C. - Claudius Adrianus Guernicus - Referente à Missão Hermética III de 1.228 d.C. t.1222 - COMBATE ENTRE ÁRABES E CRISTÃOS COM APOIO DECLARADO DE CONSÍLIOS DO TRIBUNAL DA IBÉRIA - CONSÍLIO DE ANDALUSIA E CONSÍLIO DE INTERRITUS - ACOMPANHAMENTO DE CONFLITO E AVERIGUAÇÃO DE USO VULGAR DE MAGIAS E QUEBRA DO CÓDIGO HERMÉTICO - BOTAS MÁGICAS REQUISITADAS DOS DEPÓSITOS DO TRIBUNAL PARA MAIOR MOBILIDADE DO QUAESITOR - CONFLITO FAVORÁVEL ÀS FORÇAS ÁRABES - RETIRADA DO EXÉRCITO CRISTÃO SEM PERSISTÊNCIA DE COMBATE - MAGIAS DE USO VULGAR NÃO FORAM DETECTADAS - NENHUMA OFENSA AO CÓDIGO HERMÉTICO DETECTADA.

O quinto e último relato ao Tribunal foi de Sirene Guernicus a respeito da investigação utilização vulgar de magia e quebra do Código Hermético nos arredores de Zaragoza e dentro dos muros da cidade durante o outono do ano de 1228. O caso é ouvido com grande tensão pelos de Alcornoque pois é referente a crimes realmente cometidos por Martin de Bonisagus nas plantações e dentro da cidade, que seriam facilmente punidos com a pena capital. Orientada por Irene Guernicus, sua mestre, Sirene esconde evidências.

Tribunal da Ibéria - Missão Hermética IV t. 1222 - Ano de 1228 d.C. - QUEBRA DO CÓDIGO HERMÉTICO - USO VULGAR DE MAGIA - CIDADE DE ZARAGOZA- INVESTIGAÇÃO A RESPEITO DO CRIME E DO CRIMINOSO - Irene Guernicus Convoca- SIRENE GUERNICUS, AUTORIZADA A REQUISITAR ITENS MÁGICOS QUE ALTEREM E MELHOREM SEUS SENTIDOS E 5 PEÕES DE INTÉLLEGO VIS DOS ESTOQUES DO TRIBUNAL PARA DESEMPENHO DA MISSÃO.

A jovem inquisidora, obedecendo os pedidos secretos da líder do Tribunal, relata:


Tribunal da Ibéria - Missão Hermética IV t.1222 - Ano de 1228 d.C. - SIRENE GUERNICUS - QUEBRA DO CÓDIGO HERMÉTICO - USO VULGAR DE MAGIA - CIDADE DE ZARAGOZA- INVESTIGAÇÃO A RESPEITO DO CRIME E DO CRIMINOSO - MAGIAS DE FOGO UTILIZADAS PARA QUEIMAR PLANTAÇÃO E SILOS PRÓXIMOS A ZARAGOZA - CAPTURA DO CRIMINOSO - CRIMINOSO LEVADO À FOGUEIRA EM PRAÇA PÚBLICA - CRIMINOSO ESCAPA COM AJUDA DE GUERREIRO NÓRDICO E COM O USO DE MAGIA DE TRANSFORMAÇÃO VULGAR - MAGIA HERMÉTICA UTILIZADA DE MANEIRA VULGAR - "SHAPE OF THE WOODLAND PROWLER" - SUSPEITO MAGO ORIUNDO DE OUTRA JURISDIÇÃO.

Fingindo compromisso com a verdade, Irene Guernicus designa nova Missão Hermética e convoca comissão de hoplitas para procurar o culpado em outros Tribunais.

Tribunal da Ibéria - Missão Hermética I t. 1229 - Ano de 1229 d.C. - INVESTIGAÇÃO, BUSCA E CAPTURA DE MAGO CRIMINOSO À ORDEM DE HERMES OU EVENTUAL DENÚNCIA A TRIBUNAL DIVERSO - REFERENTE À MISSÃO HERMÉTICA IV T. 1222 DO ANO DE 1228 d.C. - IRENE GUERNICUS CONVOCA COMISSÃO DE HOPLITAS - IRENE GUERNICUS E RODRIGO DE FLAMBEAU QUE PODERÃO REQUISITAR QUAISQUER ITENS MÁGICOS DE PROTEÇÃO E DE ALTERAÇÃO E MELHORA DE SENTIDOS PARA EXECUÇÃO DA MISSÃO.

Fase de Petições Para Constituição e Registro de Consílios e Magos

Depois disto, encerra-se a fase de relatos inquisitoriais. Em seguida, incia-se a fase de petições ao Tribunal para filiação de consílios e em seguida para o reconhecimento de magos. Nenhum consílio dirige ao Praeco qualquer petição, mas há magos pedindo reconhecimento.

Adelmo de Criamon é o primeiro a dirigir petição ao Praeco e é prontamente registrado, sem objeções do Tribunal, como mago filiado ao Tribunal da Ibéria membro do Consílio de Alcornoque.

Clara de Bjonaer pede filiação ao Tribunal em seguida e sua petição é comentada e ratificada por Celso de Bonisagus de Plateau, sendo prontamente aceita, sem objeções, como mago filiado ao Tribunal da Ibéria membro do Consílio de Alcornoque.

Assad Ex-Miscellanea pede em petição única o reconhecimento de Suleiman Ex-Miscellanea, o Magnífico, Abdul Gazi Ex-Miscellanea e Rafiq Mohammed Ex-Miscellanea como magos filiados ao Tribunal da Ibéria e membros do Consílio de Andalusia. Joachina de Tytalus faz objeção por tratarem-se de três magos recém convertidos ao corpo hermético e, portanto, sem confiança. Claudius Adrianus Guernicus debate, colocando como aceitável a petição de Assad se condicionada a aprovação à comprovação de contribuição com a Ordem durante um ano. Assad de Andalusia retifica a petição com as condições sugeridas pelo Guernicus e ninguém faz objeção.

O Praeco, Ebro de Flambeau, nomeia Claudius Adrianus Guernicus como fiscal dos novos membros de Andalusia até o verão do ano de 1230.

Domenico de Flambeau, em petição única, pede reconhecimento de Vitto de Flambeau, Cirille de Flambeau e Helius de Flambeau como magos filiados ao Consílio da Ibéria e membros da Casa da Chama Eterna. O pedido é aceito sem objeções.

Finda assim o primeiro dia de Tribunal.

A Chegada ao Tribunal da Ibéria

Magos Partem Para Interritus

Ao fim da primavera, os magos partem para Toledo rumo ao Consílio de Interritus, onde ocorre a cada sete anos o Tribunal da Ibéria. Todos viajam por meio de feitiços de vôo e chegam cedo ao destino, exceto Claudius Adrianus Guernicus e Rodrigo de Burgos, que vão por vias normais, e Martin de Bonisagus que permanece em Alcornoque.

Dias Preparativos

Durante os dias dos preparativos, nos quais Interritus recebe magos de todos os cantos da Ibéria, a convivência entre membros dos mais diversos consílios gera atritos e boatos que são normalmente uma prévia do que será o Tribunal.

Philippo Percebe Racha em Coimbra e nos Tremere

Philippo, em conversas amigáveis, descobre que um merinita de Coimbra ameaçara deixar seu consílio, evidenciando um racha entre os magos de lá, principalmente os Merinita e os Tremere.

Acredita também, ao conversar com magos de sua Casa sobre a recente batalha ao sul, que há certa divergência entre Jaime de Tremere os tremere de Coimbra. Tal situação fez Philippo crer que os tremere de Coimbra estão aliados a Plateau, que por sua vez não é tão aliada a Interritus na Reconquista quanto parece.

Claudius Adrianus Tem Com Magos de Interritus

Claudius Adrianus Guernicus em conversa com seu mestre, Gonçalo Salustiano, e com outros ex-companheiros de Interritus, percebe que o que motivou o conflito ao sul foi a intenção de fazer tropas cristãs invadirem o Consílio de Andalusia. Nada é dito expressamente, mas percebe que há naquele local algo muito valioso que viria no espólio caso os cristãos tivessem êxito no ataque.

Clara de Bjonaer

Com muito prestígio na Ordem de Hermes, Clara de Bjonaer foi das figuras mais festejadas, visitada por diversos magos importantes do Tribunal, como o próprio Ebro de Flambeau, Irene Guernicus, Salmo de Bonisagus e Domenico de Flambeau, desejosos por conhecer a famosa promessa do Provençal, surpreendentemente filiada a Alcornoque. A jovem aproveita a situação e começa a perceber a situação política da Ibéria.

Paulus Vai Até Lisboa

Paulus de Flambeu Volta a Lisboa

Quase no final da temporada, Paulus de Flambeau vai até Lisboa usando feitiço de vôo e volta ao local onde fora interrogado por Irene Guernicus. Lá, munido de 4 peões de vim vis, realiza o ritual intitulado "Eyes of the Past", que permite ao mago ter lembranças do que ocorreu naquele exato lugar há tempos atrás como se lá estivesse e descobre, desta forma, tudo que lhe foi perguntado durante o interrogatório.

Ana e Philippo Conversam Sobre Giuseppe

Ana Procura Novamente Philippo

Depois da partida de Giuseppe, Ana Razi procura Philippo Razi de Tremere e tem com ele a respeito de tal visita.

A acrobata, que nutre grande temor e ódio por Giuseppe, sente-se assustada e anuncia que fugirá do Consílio em breve.

Ana Procura Paulus de Flambeau

Antes de deixar Alcornoque, Ana procura Paulus de Flambeau tencionando receber sobre si a magia de amor que a esta altura já é quase um vício. O mago realiza feitiço semelhante, que a condiciona à felicidade sem que se apaixone necessariamente por alguém e em seguida pede que a moça espere no Consílio e não vá embora por hora. Ela aceita.

Paco e as Botas

Paco Cobiça as Botas das Sete Léguas

Os boatos sobre as Botas das Sete Léguas e os feitos de Claudius Adrianus Guernicus no sul movimentaram Alcornoque. Paco fica sabendo e procura o mago que as detém e em astuta conversa consegue sagazmente convencê-lo a lhe emprestar em segredo o item mágico por um dia. O negócio é fechado e Claudius vislumbra possibilidade de ter para si a serventia do esperto rapaz no futuro.

Paco Usa as Botas

Paco vai a Ferrol e consegue Audiência com o Conde de Riamonte, invocando sua suposta nobreza. Cobra 40 libras de prata do nobre para não apresentar comprometedora carta sobre seu passado. Recebe o dinheiro e foge usando as Botas das Sete Léguas, que o fazem sumir e aparecer noutro lugar bem longe da corte, evitando assim eventuais perseguidores. Retorna para o Consílio e devolve o item mágico com segurança a seu portador de direito, Claudius Adrianus Guernicus.

Giuseppe de Tremere

Mestre de Phlippo Visita Alcornoque

No meio da primavera, como anunciado, Giuseppe de Tremere, parens de Philippo Razi, visita Alcornoque. Em rápida conversa de recepção, oferece o apoio político dos tremere da Ibéria, principalmente os de Coimbra, caso o Consílio de filie oficialmente à causa cristã, apoiando os rumos que Plateau adotar na Reconquista. Diz genericamente que a retribuição será farta.

Giuseppe Conversa com Ana Razi

Giuseppe de Tremere procura na surdina uma velha conhecida, Ana Razi, com quem tem misteriosa conversa, na qual ambos reforçam a manutenção de um segredo. O mago deixa Alcornoque em seguida.

Philippo Retorna

Philippo Volta a Alcornoque

Philippo Razi de Tremere volta a Alcornoque no quarto dia da primavera e convoca Conselho, ao qual relata que nada produziu em sua última temporada de estudos, perdendo assim os 9 peões de vim vis que pedira dos estoques do Consílio para a criação de sua poção de longevidade. Relata também que passará a corrente temporada extraindo vis da aura de Alcornoque como forma de repor o que precisará para uma nova tentativa de fazer a poção.

Padre Urbano Reaparece

Padre Urbano Encontra Philippo

Depois de muito procurar Pe. Urbano em localidades ao norte de Barcelona, Philippo Razi de Tremere desanima-se e faz seu último pernoite antes de voltar a Alcornoque. E, durante a madrugada, o mago é surpreendido por um mensageiro do padre que marcou rápido encontro no estábulo. De tanto procurar, o Tremere fora achado.

O Encontro com Padre Urbano

Padre Urbano é breve e diz ter formado uma Ordem itinerante de seguidores da pobreza de Cristo que para não ser ainda mais perseguida e injustamente acusada de heresia, anda escondida pela Ibéria.

A Proposta de Padre Urbano

Philippo confessa seus tormentos e, mais uma vez, tem suas culpas extintas pelo perdão de Padre Urbano, que passa a pregar a respeito do voto de pobreza e do desapego dos caminhos mágicos e divinatórios. Entrega ao mago seu crucifixo de prata e pede reencontro em dentro de quatro anos neste mesmo local, quando deve decidir por largar seus bens materiais e suas práticas herméticas.

O tremere volta ao Consílio em seguida aliviado mas com o peso da proposta do padre sobre seus ombros.

20.1.06

Equinócio de Primavera de 1229

Reunião do Conselho durante o Equinócio de Primavera de 1229

Do qual Philippo Razi não participa por estar em jornada procurando Pe. Urbano

Declaração de Resultados do Inverno de 1228

Martin de Bonisagus traduziu e copiou a magia criada por Mattuzallem Ex-Miscellanea intitulada "Descendo as Camadas da Fadolândia", Claudius Adrianus estudou a summa de animal intitulada "Das Bestas", Paulus terminou a magia "A Convocação dos Fiéis", Hugo estudou a summa de intéllego intitulada "Além do que os Olhos Vêem", Adelmo estudou a summa de rego intitulada "Do Controle" e Clarice estudou a summa de muto intitulada "Da Mudança".

Disribuição de Vis para a Primavera de 1229

Martin retira dos estoques do Consílio 2 peões de perdo vis e 1 peão de herbam vis, Paulus 1 peão de creo vis e 1 peão de terram vis, Adelmo 1 peão de auram vis, 1 de aquam vis e 1 de nuto vis, Hugo pega 2 peões de perdo vis, 1 peão de aquam vis e 1 peão de herbam vis, Clara pega 1 peão de animal vis, 1 peão de aquam vis, 1 peão de perdo vis e 1 peão de terram vis.

Declaração de Ações para a Primavera de 1229

Martin fará poção de longevidade e para tanto requisita dos estoques do Consílio 9 peões de vim vis, Claudius estudará a summa de terram intitulada "Das Propriedades Mágicas do Quartzo", Paulus estudará um peão de aquam vis, Adelmo estudará a summa de auram intitulada "Os 4 Ventos", Hugo estudará outra cópia da summa de auram "Os 4 Ventos" e Clara continuará o estudo da summa de muto intitulada "Da Mudança".

Propostas Levadas a Conselho no Equinócio de Primavera de 1229

Paulus de Flambeau relata encontro com Irene Guernicus em Lisboa, sem citar as três perguntas que respondeu sob os efeitos de magia da verdade. Diz apenas que fez um acordo de vontade política no intuito de salvar Martin de Bonisagus.

Martin de Bonisagus pede que Paulus de Flambeau leve a Tribunal o episódio vivido.

O Encontro de Paulus de Flambeau e Irene Guernicus

Paulus Chega a Lisboa

Ao fim do inverno, Paulus de Flambeau chega a Lisboa e é recebido no local marcado com alegria por Irene Guernicus, que já aprontara um salão na cidade com privacidade para o encontro com o mago de Alcornoque.

Dentro do salão, a inquisidora senta-se em frente a Paulus, faz sobre ele magia que impede a mentira e que o interrogado tampouco lembre das perguntas a ele dirigidas e as respostas por ele dadas durante o interrogatório. Depois procede às perguntas, como combinado.

As Perguntas

A primeira das três perguntas feitas a Paulus de Flambeau foi "Já violaste o juramento hermético?", para a qual a resposta foi positiva. Irene gosta do que ouve e pergunta em seguida "Como foram os casos em que violaste o código?" e o mago passa então a relatar a morte de Mattuzallem e o episódio em que atacou lançou magia sobre um corcunda e outro no qual atacou um cavaleiro negro na Fadolândia. A última pergunta foi na mosca, "Alcornoque possui cópias dos livros proibidos de Hieronimus de Criamon?". A resposta foi afirmativa.

Política

Respondidas as perguntas, Irene Guernicus passa a fazer política. Paulus de Flambeau e Alcornoque estão em suas mãos.

Philippo Busca Padre Urbano

Philippo Perde Produção

Philippo Razi de Tremere passa 2 meses da temporada em crise de depressão, atormentado pela culpa de ter tramado contra Terêncio, o fiscal. Desta forma, perde o preparo da poção de longevidade no meio do processo, perdendo 9 peões de vim vis no caminho.

Philippo Procura Padre Urbano

Depois de perder a produção, Philippo Razi vai a Barcelona, último paradeiro conhecido de Padre Urbano, único que consegue aplacar sua culpa e confortar sua alma. Chegando lá, não encontra ninguém senão Pedro, o padeiro, que diz que sua prima largou tudo na cidade para seguir o padre em seu violento culto contra a riqueza.

O mago passa então o resto do inverno procurando vestígios de Padre Urbano em cidades do norte, ficando ausente, desta forma, da reunião do Conselho durante o Equinócio de Primavera de 1229.

19.1.06

Paulus Relata Ataque

Paulus Envia Cartas

Paulus de Flambeau envia carta a Stoklos, o redcap, relatando o ataque sofrido. Envia cópia a Dario.

Ana Retorna

Ana Razi Volta a Alcornoque

Ana Razi tenta se manter alheia ao vício na magia de amor de Paulus de Flambeau, mas não resiste e volta ao Consílio no início do inverno. Traz consigo a notícia de que o Conde de Riamonte ainda se encontra em El Ferrol.

Fiscais Retornam a El Ferrol

O Consílio é Pobre

Os fiscais retornam a El Ferrol levando ao Barão as contas de Alcornoque. O gordo Lelo tem a certeza de que as contas estão corretas e que o Consílio é pobre. Jero, por outro lado, aceitou suborno e ratificará que a torre não guarda dinheiro. Paulino, terrivelmente deprimido, nem contas a apresentar tem, pois nada produziu. Os monges ficam no Consílio.

Solstício de Inverno de 1228

Reunião do Conselho no Solstício de Inverno de 1228

Declaração de Resultados do Outono de 1228

Martin estava fora em missão pelo Consílio, Paulus idem, Adelmo passou a limpo suas magias para o Consílio, Hugo fez a pedra de fogo que chamou de "Light and Fire Stone" dada aos gigantes, Claudius Adrianus participou de Missão Inquisitorial e Philippo estudou a summa de Intéllego intitulada "Além do que os Olhos Vêem".

Distribuição de Vis para o Inverno de 1228

Adelmo pega 1 peão de animal vis, 1 peão de aquam vis e 1 peão de herbam vis, Philippo pega 1 peão de terram vis e 1 peão de perdo vis e Hugo pega 1 peão de perdo vis.

Declaração de Ações para o Inverno de 1228

Paulus terminará a magia "Chamado aos Fiéis", Martin traduzirá a magia de Mattuzallém deixada para o Consílio, Adelmo estudará a summa de rego intitulada "Do Controle", Clara estudará a summa de muto intitulada "Da Mudança", Philippo fará sua poção de longevidade, pegando 9 peões de vim dos estoques do Consílio, Hugo estudará a summa de intéllego intitulada "Além do que os Olhos Vêem" e Claudius Adrianus estudará a summa de animal intitulada "Das Bestas".

Propostas Levadas a Conselho no Solstício de Inverno de 1228

Clara é definitivamente aprovada como membro de Alcornoque, depois da prévia aceitação e de cumprida a condição imposta, de que disponibilizasse todas as suas magias na biblioteca do Consílio.

18.1.06

Claudius Adrianos Volta à Missão

Claudius Acorda do Twilight

Claudius Adrianus Guernicus acorda do seu episódio de Twilight ainda zonzo e descobre estar em Córdoba, perto do conflito. Preocupado com a Missão Inquisitorial, ruma para norte até o ponto provável do conflito e chega a tempo de supervisioná-lo pela Ordem, invisível por efeitos mágicos.

Acompanha toda a batalha e a frágil investida do exército cristão, que desmembrado e sem mantimentos, foi obrigado a recuar e abandonar o conflito. Não foi notada qualquer magia vulgar no local. O mago volta para Alcornoque em seguida.

Magos Cuidam dos Fiscais

Paulus de Flambeau Faz Mafia Sobre Lelo e Jero

Pouco antes do fim do outono, Paulus de Flambeau faz a magia "Sudden Rise of the Dogma" sobre o gordo Lelo, criando nele a certeza de que as contas do Consílio estão certas e a torre é pobre e não guarda dinheiro. Depois faz magia semelhante sobre Jero para que seja receptivo a subornos. Philippo tenta suborno alguns instantes depos e Jero aceita com ganância.

Adelmo Arma Flagra

Adelmo de Criamon visita o scriptorium da biblioteca e faz sobre Matheus e Pepe, os monges, magia que lhes atiça os ânimos sexuais de forma incontrolável, em momento em que estão sozinhos na sala. Deixando o local, fecha a porta e combina com Lucius, o bibliotecário, o flagra. Em pouco tempo, o ato sexual se inicia e o flagra acontece.

Negociação

No dia seguinte, os monges procuram Adelmo e lhe dizem que encontraram uma obra herética na biblioteca. Em troca do silêncio quanto à descoberta, pedem silêncio quanto ao flagra ocorrido no scriptorium. O acordo é aceito e o mago fica certo de que eles não mais oferecerão problemas à torre até voltaram à Abadia.

Paulus de Flambeau Sofre Atentado

Paulus de Flambeau Visita a Casa da Chama Eterna

No inituito de estabelecer boas relações, Paulus de Flambeau visita a Casa da Chama Eterna. É mal recebido por Ebro de Flambeau ao oferecer ajuda à causa da reconquista, afundando navios árabes.

Ebro diz ser tarde demais para contatos diplomáticos e para um comprometimento pessoal de Paulus, que considera um traidor da pior estirpe, depois de executar seu próprio mestre no Tribunal da Ibéria de 1222.

O Atentado a Paulus de Flambeau

Já saindo da Casa da Chama Eterna, Paulus de Flambeau com sorte escapa de três bolas de fogo mágicas a ele direcionadas por algum mago invisível. Ele reconhece a magia como sendo aquela intitulada de "Ball of Abysmal Flame", com efeito triplicado, algo somente possível para um mestre. Parte em rápida fuga para Alcornoque, em seguida.

Paulus de Flambeau Visita Irene Guernicus

Paulus Tenta Salvar Martin

Paulus de Flambeau parte para Plateau em busca de Irene Guernicus. Chegando lá, é mal recebido por não ter enviado aviso de sua visita, mas logo consegue audiência com a chefe dos inquisidores do Tribunal da Ibéria.

A Audiência

Paulus de Flambeau explica os feitos de Martin de Bonisagus e seus crimes, e tem enérgica discussão com Irene Guernicus a respeito do abrandamento da pena do mago como um favor pessoal.

Paulus de Flambeau propõe então afundar 20 barcos árabes, ajudando na Reconquista, em troca do abrandamento da pena de Martin. A contra-proposta da inquisidora é a seguinte: em troca de abafar o caso e do relaxamento político de Alcornoque, Paulus de Flambeau deveria responder a três perguntas sob o efeito de magia da verdade, a serem feitas nesta mesma sala, no Consílio de Plateau em Lisboa, ao final do inverno de 1228.

Martin Paga os Gigantes

Martin Visita Biblioteca

Antes de partir para a floresta e pagar aos gigantes, Martin de Bonisagus passa na biblioteca do Consílio para pegar a magia "Entre as Camadas da Fadolândia", de Mattuzallem Ex-Miscellanea. Como não há tempo para cópia, pega as folhas e acaba danificando a encadernação. Em seguida, pega provisões na dispensa e parte no meio da noite rumo ao sítio da fonte de vis levando a pedra mágica encantada por Paulus de Flambeau.

Martin Entrega Pedra aos Gigantes

Depois de cansativa viagem a pé, Martin encontra os gigantes perto do sítio de onde brota ignem vis todo ano e entrega a pedra mágica. Os gigantes mostram-se satisfeitos e voltam para dentro da mata. Martin os segue no intuito de fugir para a Fadolândia mas desiste, por hora.

Magos Retornam de Suas Missões

Conselho é Reunido

Depois de Martin de Bonisagus e Paulus de Flambeau voltarem de suas missões, o Conselho é convocado para que relatem suas ações.

Martin Relata Crimes

Paulus de Flambeau relata sucesso em sua missão e na missão de Hermeto de Merinita, de Lux ex Tenebris. Martin de Bonisagus relata sucesso em queimar os silos, mas relata os problemas que enfrentou e o que teve de fazer para escapar de Zaragoza. Suas ações significaram, claramente, quebra de Código Hermético, ao realizar magias absolutamente visíveis e agressivas na frente de homens do povo de Zaragoza e soldados cristãos.

Paulus Propõe Soluções

Os magos, então, discutes estratégias para evitar que a Ordem tome conhecimento dos crimes de Martin de Bonisagus. Paulus de Flambeau propõe que se espalhe dezenas de boatos através de magia na área de Zaragoza para camuflar o ocorrido. A idéia não parece muito boa, porém, porque poderia chamar mais atenção do que o fato por si só e gerar maior investigações. o Flambeau decide então partir para a via política.

Discute-se também como realizar o pagamento prometido aos gigantes em troca de vis antes que eles apareçam em Alcornoque para reivindicá-lo, alertando todos os fiscais e padres de El Ferrol presentes no Consílio. Martin de Bonisagus se encarrega de levar a pedra.

Por fim, Martin mostra-se preocupado com o assunto entre Urk e Balthazar na Fadolândia.

Pedro de Vigo

Ambicioso Monge

Um ambicioso monge de nome Pedro de Vigo, da Abadia de El Ferrol, começa a movimentar seus contatos visando uma rápida ascenção. Um de seus movimentos é o pedido ao Abada para que seu irmão, Lourenço, seja colocado como pagem à comissão que trará o bispo a El Ferrol. O pedido é aceito e Pedro começa as conversas com seu irmão a respeito da conduta a ser adotada com o objetivo de tomada de prestígio a curto prazo.

O Twilight de Claudius Adrianus

Problemas com as Botas

Claudius Adrianus Guernicus enfrenta problemas no uso das Botas das Sete Léguas por não conseguir se situar bem nos destinos que escolhe. Seu rumo é torto mas em pouco tempo chega ao sul de Toledo, último ponto de reunião das tropas cristãs, que a esta altura já são numerosas.

O Twilight de Adrianus

Adrianus Inquaesitor ad-Alcornoque viajou, com o auxílio das Botas de Sete Léguas, até os rincões da cristandade, onde ela se encontra face a face com território infiel. Encontrou um grande contingente de soldados cristãos acampados, à espera do comboio de suprimentos que chegaria em breve. À salvo da vista dos soldados, transmutou sua aparência (MuIm 5, conseguiu realizar a magia espontaneamente, mas com péssima finesse) e aproximou-se de alguns soldados, no alto de um monte. Apresentou-se como Humberto, padre andarilho, que soube da batalha vindoura e veio abençoar o campo de batalha e rezar em prol da bem-aventurança das forças de São Miguel. O soldado o convida para permanecer com as tropas, alegando que o local é extremamente perigoso pela proximidade de mouros. Adrianus, no entanto, declina, alegando que o Senhor o protegerá. Retira-se para começar a orar. O soldado o convida para alimentar-se com os soldados, embora a comida esteja sendo racionada - o comboio de suprimentos está atrasado.

Adrianus fica o primeiro dia todo observando a movimentação.

O segundo dia, mesma coisa.

No terceiro, desce (após realizar a magia MuIm 5 novamente). Interage muito bem com os soldados (conseguiu um resultado excelente - acho que 21 - em folk ken). Consegue distinguir bem os três soldados que dão as ordens por ali. Retorna à montanha.

Há uma gritaria entre os soldados, parece que algo foi avistado ao longe, na direção sul. Cavaleiros partem para lá.

Começa a anoitecer, e Adrianus pretende esperar até a manhã seguinte para verificar qual foi o destino dos cavaleiros, que não retornaram.

Utiliza a Bota para alcançar um nicho bastante alto na pedra. Com alguma dificuldade (e a ajuda de uma magia espontânea de MuCo para levitar), Adrianus chega ao nicho, e adormece.

Pela manhã, Adrianus faz novamente a magia de MuCo para levitar - e falha miseravelmente. Entra em twilight temporário.

Sobe, levitando, pelo ar, descontrolado, até chegar a uma espécie de ilha flutuante. Agarra-se a raízes que se dependuram dela, e consegue subir. Há uma escada. Faz-se uma porta às suas costas. Há crianças disformes rindo dele, e jogando frutas podres nele. Bate a paranóia do pecado carnal que ele realizou com Jalilah. Um velho com o olho deformado aparece na escada, e convida Adrianus a acompanhá-lo. Adrianus joga-se a seus pés, depois levanta. Acompanha-o escada acima, apoiando-se em sua bengala. O velho fala de modo enigmático. Adrianus desce, tenta abrir a porta, não consegue, trancada. O velho diz que ele sabe o que precisa fazerpara ir embora. As crianças aumentam a algazarra, Claudius se enfurece, sobre correndo os degraus, e tropeça. Sua bengala apoia-se em um degrau, e Adrianus cai sobre ela; a ponta da bengala penetra em seu olho esquerdo, causando uma terrível dor. A força da queda faz com que a bengala penetre profundamente na cabeça de Adrianus, mas surpreendentemente ela não sai pelo outro lado, some dentro de sua cabeça. Sentindo uma dor de cabeça insuportável, Adrianus desce rolando a escada, apoia-se na porta, aterrorizado, e consegue girar a maçaneta. A luz o cega, e ele acorda, deitado na pedra fria.

Um homem aparece, prometendo ajudá-lo, se ele contar seu pecado. Adrianus, num surto paranóico, acha que o velho é um mago disfarçado, e manda-o embora.

Notícias de Hermeto

Paulus vai a Lux ex Tenebris

Paulus de Flambeau vai a Lux ex Tenebris e encontra-se com Hermeto de Merinita, que anuncia sucesso em sua missão a Pamplona, levando a ruína a grande parte dos alimentos cultivados nos campos próximos à cidade.

Problemas de Alcornoque na Fadolândia

Sentindo-se mais seguro com o Merinita, Paulus de Flambeau revela que Alcornoque tem graves problemas na Fadolândia, pedindo a ajuda de Hermeto para resolvê-los. Os dois combinam de se encontrar depois do Tribunal de 1229.

Adelmo Almoça com Fiscais

Almoço Silencioso

Adelmo almoça com os fiscais, com os padres e com alguns homens de Alcornoque. Depois do episódio com Terêncio, há um certo desconforto entre todos, e a refeição é feita quase toda em silêncio. De sobremesa, frutas. O mago oferece uma específica a Paulino. Todos estranham o gesto, pouco natural para o ocasião. O fiscal morde a maçã com receio e mastiga lentamente sob seus fartos bigodes. A fruta estava encantada com a magia "Weight of a Thousand Hells", que faz o alvo entrar em profunda depressão.

Depois do almoço, Paulino entra em seu quarto para nunca mais sair como antes.

Philippo Sofre de Depressão

Novo Episódio de Depressão

Philippo Razi de Tremere, depois do episódio com Terêncio, sofre de novo episódio de depressão, causado por avassaladora culpa.

Claudius e a Bota das Sete Léguas

Claudius Adrianus Parte em Missão Inquisitorial

Claudius Adrianus Guernicus parte rumo a Burgos, objetivando a Casa da Chama Eterna. Lá, pega dos depósitos da Ordem de Hermes o famoso ítem mágico intitulado "Botas das Sete Léguas", muito famoso no Tribunal e um dos mais antigos, dado de presente a Ebro de Flambeau por Theodoro de Jerbiton e doado à Ordem há muito tempo atrás. As botas permitem a quem as calça que se teleporte de onde está até um outro ponto visível, que pode estar a muitas léguas de distância. Em posse delas, o mago parte para o sul, ao palco do vindouro conflito.

A Trama Contra Terêncio

Perigo no Treino

Terêncio é convidado a participar do treino de espadas com os homens de Alcornoque e prontamente aceita. Ele luta com o mestre-de-armas e treina alguns movimentos, guardas e ataques.

Philippo, de longe, faz sutil magia ma mente de Terêncio para que não consiga se defender do golpe do oponente, mas o mestre-de-armas evita o acidente. O treino para por alguns instantes e é retomado em seguida. Philippo tenta novamente o mesmo truque e, mais uma vez, a desgraça é evitada pelo atacante. A sessão é então encerrada.

A Maçã

Philippo acompanha Terêncio e encontra o soldado na cozinha, esfriando a cabeça enquanto come uma das enormes maçãs de Alcornoque, que cortava com a faca e levava à boca com gosto. Aproveitando-se do hábito, Philippo realiza novo feitiço, muito sutil, e faz Therêncio se cortar fundo na mão, fazendo sobre o ferimento leve bandagem, sem dar muita importância.

Philippo e o Toque da Infecção

Pouco tempo tempo depois, Philippo pede a Terêncio para ver o ferimento e lança sutilmente sobre ele um feitiço para que infeccione. Depois de muito tempo, o ferimento adquire terrível aspecto e o soldado é aconselhado a voltar para El Ferrol a fim de receber melhor tratamento.

Terêncio deixa Alcornoque ao fim de outubro.

Clara e seu Ninho

Clara de Bjonaer Vai às Montanhas

Clara de Bjonaer voa às montanhas ao norte, em sua forma de falcão, e procura local para montar seu ninho.

Martin Vai à Fogueira

Martin Amanhece Preso à Fogueira

Pela manhà, ao sair da estalagem, Urk passa a andar pela cidade e ao chegar à praça vê Martin de Bonisagus nu, preso à fogueira, vigiado por guardas a cavalo. A população começava a se aglomerar em volta.

Em rápida troca de olhares, o plano é traçado. Martin faz leve feitiço que desata os nós das cordas em suas mãos e liberta-se e se põe à espera da investida de Urk, sem revelar sua liberdade aos guardas.

A Investida de Urk

Urk aproveita a distração de um dos guardas e arremete contra ele de cavalo, derrubando-o de sua montaria. Martin faz feitiço e ateia fogo à carroça de palha ao lado da fogueira, deixando os guardas sem saber o que fazer por um instante.

A Fuga

Aproveitando a confusão, Martin faz magia e vira lobo, partindo em rápida fuga em meio aos guardas montados. Urk troca golpes com dois guardas mas consegue se desvincilhar e acompanha Martin em disparada. O último obstáculo, os guardas aos portões, que a esta altura já vinham se fechando, acabam não oferecendo resistência ao rápido lobo nem ao truculento guerreiro, que passam por baixo das grades antes que se fechem.

Perseguição

Urk para o cavalo para que Martin, novamente em forma humana, monte também. Isto dá tempo para a chegada se cinco cavaleiros que cercam o grupo. O conflito se inicia mas logo acaba. No primeiro ataque do companheiro do mago, sua espada flamejante carboniza um soldado e espanta os demais, que partem em retirada.

O guerreiro nórdico persegue e mata um a um, exceto o último que conseguiu atingir maior velocidade com o cavalo e voltar à cidade. Martin pega o cavalo de um dos soldados e volta com Urk à estrada para El Ferrol, retornando para casa.

Os Fiscais em Alcornoque

Philippo e Adelmo se Apresentam

Sob os efeitos de magia para não ser reconhecido, já que está banido oficialmente de El Ferrol, Philippo se apresenta com nova fisionomia aos fiscais. Adelmo vai junto e iniciam conversa a respeito do passado. Os dois magos passam a mentir sobre suas origens e o gordo Lelo, um dos fiscais, logo percebe o embuste, mas permenece em silêncio.

Prestação de Contas

Os fiscais logo pedem as contas e o livro de registros do Consílio. Philippo e Adelmo entregam os registros totalmente em desordem e propositalmente desorganizados, pedindo desculpas pela confusão que os criados fazem com as contas.

Os Monges

Adelmo vai até os monges e tem com eles a respeito da biblioteca. Um deles é ríspido e gosseiro enquanto o outro é gentil e cordial. Há grande interesse de ambos na obra de Cícero. A impressão geral é boa quanto aos estudos desempenhados na torre, deixando os fiscais contentes.

Terêncio

Philippo tem com Terêncio, homem de confiança de Gusmão, e o soldado elogia os arqueiros de Alcornoque e o treinamento de guerreiros. Fica curioso a respeito dos remendos na torre, perguntando a natureza dos danos, preocupado com a segurança do baronato de El Ferrol. Philippo diz que a torre fora mal construída e precisou de reformas. O homem parece acreditar.

A Missão de Paulus

Paulus Voa Até Leon

Com feitiço que lhe permite voar e outro de invisibilidade, Paulus de Flambeau chega rapidamente em Leon, mas ao fazer reconhecimento da cidade.

Joachina de Tytalus

No castelo do burgo, reconhece Joachina de Tytalus, jovem maga da Casa da Chama Eterna, que também o reconhece. Paulus sobe à torre e tem com a moça e sente-se obrigado a justificar sua presença no local e não é muito convincente ao dizer que apenas verificava se tudo estava bem. Enrolado e acanhado pelos compenetrados olhos da interlocutora, diz que seus interesses divergem dos de Alcornoque, e que, ao contrário de seu Consílio, desejava a vitória cristã no conflito.

Paulus Despista Joachina

Paulus de Flambeau despista Joachina de Tytalus e depois de se retirar voa até o campo ao longe, quase fora dos domínios de Leon, e destói toda uma enorme plantação que viu com eficiente magia, voltando à cidade em seguida.

A Missão de Martin de Bonisagus

Martin e Urk Viajam

Durante a viagem para Zaragoza, toda a movimentação das tropas rumo a Ferrol, ponto de concentração do exército cristão. Ficou claro que o triângulo formado pela cidades de Leon, Pamplona e Avilla é de onde vêm as provisões para os soldados.

Magia Caótica

Vendo boa oportunidade de estrago, tenta incendiar um moinho no caminho e coloca fogo em um através de feitiço. No segundo moinho, ao lançar sua magia de fogo, não consegue produzir o efeito desejado por ser um feiticeiro de caminhos caóticos, e acaba sendo envolvido por um enorme círculo de chamas por ele mesmo produzido, que logo passou a consumir o mato à sua volta. O mago consegue fuga através das labaredas, sendo perseguido por cachorros selvagens no processo, fazendo grande alarde, mas escapa para a estrada com Urk, que esperava com os cavalos.

Martin e Urk Chegam a Zaragoza

Depois do susto, Martin de Bonisagus e Urk chegam a Zaragoza, percebendo logo a reunião de grande número de cavaleiros templários, que movimentaram a cidade. À noite o mago volta a agir, deixando seu companheiro em profundo sono em boa estalagem.

Incêndio de Silos

Martin de Bonisagus volta a tentar incendiar silos, mas logo depois de fazer seu feitiço de fogo no primeiro que viu, falha em seu feitiço em além de atear fogo no alvo, coloca fogo em suas mãos, produzindo chamas que, apesar de não queimarem sua pele, não cessam. A confusão chama a atenção de vigias que passam a perseguir o mago, que foge com as palmas flamejantes até cansar e ser cercado.

Martin em Frenesi

O Bonisagus, cercado, faz magia sobre si para que não seja atingido por armas e investe contra um vigia, conseguindo fugir depois de receber dele um feroz ataque que errou o alvo em virtude da proteção mágica. A perseguição continuou, mas Martin, preocupado em cumprir sua missão, coloca fogo em mais dois silos e dá chance ao azar.

Martin é Capturado

Em seu último feitiço, falha terrivelmente e cai ao chão sob efeitos de twilight, sendo capturado em seguida.

17.1.06

O Plano Tem Início

Magos Começam a se Movimentar

Logo no início da temporada, Paulus de Flambeau ruma para Ávila e Hermeto ruma para Pamplona, no intuito de executarem o plano. Martin, que já partiu para Zaragoza, compõe o grupo. Eles pretendem inutilizar a maior parte possível de suprimentos das tropas Cristãs, arruinando plantações, silos e depósitos, a fim de impedir ou mitigar a investida das tropas que pretendem enfrentar os árabes ao sul.

Equinócio de Outono de 1228

Reunião do Conselho no Equinócio de Outono de 1228

Martin de Bonisagus não participa desta reunião do Conselho por ter partido para Zaragoza ao final do verão.

Declaração de Resultados do Verão de 1228

Philippo estudou a summa de intéllego intitulada "Além do Que os Olhos Vêem", Claudius viajou em jornada de serviço ao Consílio, Paulus iniciou a criação da magia "Convocação do Dogma" e Hugo leu a summa de rego intitulada "Do Controle".

Distribuição de Vis para o Outono de 1228

Philippo pega dos estoques do Consílio 1 peão de aquam vis e 1 peão de animal vis, Claudius pega 3 peões de creo vis, Hugo pega 1 peão de creo vis e 2 peões de herbam vis e Adelmo pega 2 peões de herbam vis, 1 peão de muto vis, 1 peão de creo vis e 1 peão de animal vis.

Declaração de Ações para o Outono de 1228

Martin realiza missão em Zaragoza, Philippo estudará a summa de intéllego intitulada "Além do que os Olhos Vêem", Claudius estará em Missão Inquisitorial, Hugo criará um ítem mágico que produza calor e Adelmo traduzirá magias suas para a biblioteca do Consílio.

Propostas Levadas ao Conselho no Equinócio de Outono de 1228

Adelmo é avisado a respeito da existência da biblioteca hermética no subterrâneo.

Adelmo propõe que um fiscal seja abalado por depressão, causada por magia, e que sobre outro recaia encanto que o faça ter plena certeza de que todas as contas de Alcornoque estão certas e não há excedentes. Propõe também que os dois padres sejam flagrados em sodomia, fruto de desejo incontrolável imputado a ambos por magia, e chantageados a confirmar a lisura do Consílio.

Martin Ruma Zaragoza

Martin Parte do Fim do Verão

Ao final do verão, Martin parte acompanhado de Urk para Zaragoza, executar o plano proposto por Paulus. Sua contribuição: inutilizar a maior parte possível de suprimentos das tropas cristãs, atacando plantações, silos e depósitos.

16.1.06

Chegam os Enviados de Gusmão

No Último Dia da Temporada

Chegam a Alcornoque, no último dia da temporada, os enviados de Gusmão, o Bravo. Eles são: Lelo, um fiscal gordo e de voz rouca, Paulino, um fiscal alto, magro e de fartos bigodes, e Jero, um fiscal judeu narigudo e hostil. Além deles, chegam Matheus e Pepe, da Abadia, eviados de Pedro para supervisionar os estudos na torre. Acompanhando eles, Terêncio, um soldado experiente da guarda de El Ferrol e homem de confiança do barão.

Claudius Adrianus Guernicus os recebe e designa Abelardo para cuidar de suas instalações e provisões.

Conselho Discute Caso dos Gigantes

Claudius Convoca Conselho

Depois de contornada a situação dos gigantes, novidade para todos no Consílio, Claudius Adrianus Guernicus convoca Conselho para que Martin explique o caso.

Martin Revela Fonte de Vis

Martin de Bonisagus revela a existência de uma fonte de ignem vis a um dia de viagem de Alcornoque, descoberta através de coordenadas dadas pelo vidente Zarolho, tempos atrás. Relata também que, depois de descobrir o local, por duas oportunidades encontrou gigantes no sítio, havendo pequeno conflito da primeira vez e roubo de vis na última, que motivou o recém ocorrido episódio.

Advertência

Claudius Adrianus Guernicus adverte Martin de Bonisagus a respeito de sua conduta, que é considerada quebra do Código Hermético por caracterizar moléstia às fadas.

Paulus de Flambeau Propõe Punição

Paulus de Flambeau propõe punição a Martin de Bonisagus. Hugo de Verditius sugere que sejam dados 4 peões de ignem vis por ano ao Consílio, durante três anos, ou que ele restitua quantidade equivalente abrindo mão de quantidade equivalente na distribuição de vis dos estoques.

Hugo Propõe Acerto de Contas com Gigantes

Hugo de Verditius propõe que seja criado item mágico que gere calor permanentemente e seja dado aos gigantes em troca da fonte de ignem vis, que deveria seria então deixada para os de Alcornoque já que, para eles, perderia a utilidade, que é o calor emanado.

Martin Paga no Ato

Martin paga ao Consílio 3 peões de ignem vis e promete pagar o resto quando puder.

Gigantes Reivindicam Vis

Os Efeitos do Roubo de Martin

Os gigantes trapaceados por Martin de Bonisagus dias atrás vão até Alcornoque reivindicar o vis levado pelo mago. Paulus de Flambeau, Claudius Adrianus Guernicus e Philippo Razi de Tremere se apresentam para resolver o problema, todos previamente com proteções mágicas.

A Razão dos Gigantes

Não houve violência. Apesar de estarem armados de imensas toras de madeira, os gigantes apenas expõe o caso e reclamam do roubo que sofreram. Martin é chamado e confirma o caso. Depois de muita discussão, Paulus de Flambeau promete fornecer aos gigantes, todo ano, pedras que lhes fornecessem calor, fazendo para eles o papel do vis que reivindicavam.

O Problema é Adiado

Paulus de Flambeau realiza feitiço em duas pedras grandes do chão e entrega, que não durarão muito com a magia, mas dará tempo aos magos.